Perfil
Isabella Sander, 20 anos, estudante de jornalismo. Capricórnio, Lua em Áries, Ascendente em Touro. Explosiva, alegre, querida.



Arquivos



Eu entro:
Mafalda Crescida
As Tiaras Que Mamãe Odeia
65 anos de cinema
Entre o Singular e o Acaso
CineDica
Estante Virtual
A cozinha do Gilmar
Sanduíche Cultural
Núcleo de Estudantes de Jornalismo



Free Web Counter
Free Counter
Minha Vida em Preto e Branco


Comentários:
9.6.10

às vezes, me dá uma vontade de chorar por nada
ou será que é por tudo?
talvez seja por aquelas coisas que a gente passa
e finge que ultrapassa
mas que, no fim, nos marcam fundo
seria mais fácil se não marcassem
daí talvez, de repente,
aguentássemos a eternidade

Rabiscado por Isabella | 6:33 PM |

----------x----------

Comentários:
1.3.10

E todos aqueles beijos e abraços, aqueles amores e amassos, todos aqueles braços e traços e todas aquelas dores que relevamos, os outros olhares que recusamos, paladares que nunca provamos das bocas que secretamente sonhamos. Tudo aquilo que prometemos não poderemos cumprir, os corações que juramos nunca partir serão para sempre marcados por tudo isso que aconteceu e que tentaremos fingir que não é tudo o que temos, procuraremos pensar que podemos substituir e que muitos peixes nadam no mar. Toda a importância que demos àqueles momentos será virada de ponta cabeça para que tudo o que passamos não seja nada de mais, para que possamos continuar, para que consigamos tentar viver em paz sem jamais conseguir.

Rabiscado por Isabella | 10:39 PM |

----------x----------

Comentários:
2.12.09

Não, não vai embora ainda! Por favor, eu nunca mais vou ter coragem disso, agora que eu decidi me abrir. É que eu nunca me abri assim pra ninguém antes... Não ri, não é engraçado. Eu nunca consegui burlar meu medo da rejeição e dar o primeiro passo. Nunca beijei primeiro, sabia? O meu orgulho é a minha segurança, mas também é a minha fraqueza. O que é contraditório, já que ter orgulho de si mesmo é um sentimento bom. Pra mim, não é tão bom assim. Já perdi muito com isso e tenho tanto medo de perder mais por causa disso, que quero tentar mudar! Mas não é fácil mudar e tu sabe disso. Tu e o teu orgulho, também. Às vezes, parece que competimos, pra ver quem tem mais resistência. Só que eu cansei tanto, tanto, de ter resistência, sabe?, eu só queria me jogar, sem medo de cair. Eu queria ter certeza de que sou indispensável, de que o teu amor é eterno e de que eu posso dormir. Eu quero dormir no teu colo. Quero ser tão, tão sincera contigo! Quero deixar de lado as ironias, não precisar ter resposta pra tudo. Sempre tive resposta pra tudo e sempre saí por cima. Mas de que adianta? Meu muro me cerca e não me deixa sair. Estou tentando tirar alguns tijolos, para ver o que há lá fora. Me parece bonito. Se eu abrir um buraco pequeno, mas grande o suficiente pra tu entrar na minha vida e não sair mais... Tu entra?

Rabiscado por Isabella | 1:07 PM |

----------x----------

Comentários:
27.11.09

Havia uma verdade. Uma verdade que exalava de seus poros, repugnante e inapreensível. Uma verdade tão tentadora e insuportável, que não podia pensar muito nela e nem em algo próximo a ela, porque começava a incomodar, vinha um desconforto, uma dor, uma dor, uma dor sem tamanho. Uma dor tão dolorida, para que não se chegasse até a verdade, essa verdade inquestionável. Era a verdade da alma. "Mas por que haver uma verdade da alma, se não se podia chegar até ela?", pensou. E, se pensou, não lembrou do que pensou, no momento seguinte, porque essas coisas não se questionam, já que nunca se colherá uma resposta e sendo ela como é, não perderia tempo com o que não se responde. Aprendera isso com o pai. Talvez tenha sido a lição mais importante que seu pai lhe ensinara. Ele, aquele homem. se podia dizer algo do pai, é que era homem, um homem irrevogável. Todo aquele ar de quem podia e sabia, aquela liberdade. "Ele é homem e ele pode", justificava a mãe. E não havia discussão. O pai era homem, o Homem, não havia alguém no mundo que merecesse tanto essa definição quanto ele. Homem, aquele bicho assustador e forte e determinado e que não sofria por não saber a verdade da alma e não tentava chegar até ela. Que, sendo inalcançável, não merecia esforços. Mas como viver sabendo que ela está ali, sem ao menos cortejá-la?

Rabiscado por Isabella | 9:15 PM |

----------x----------

Comentários:
17.11.09

Na frente do espelho
Sem que ninguém a visse
Miss
Linda, feia
Lindonéia desaparecia

Despedaçados, atropelados
Cachorros mortos nas ruas
Policiais vigiando
O sol batendo nas frutas
Sangrando
Ai, meu amor
A solidão vai me matar de dor

Lindonéia, cor parda
Fruta na feira
Lindonéia solteira
Lindonéia, domingo, segunda-feira
Lindonéia desaparecida
Na igreja, no andor
Lindonéia desaparecida
Na preguiça, no progresso
Lindonéia desaparecida
Nas paradas de sucesso
Ai, meu amor
A solidão vai me matar de dor

No avesso do espelho
Mas desaparecida
Ela aparece na fotografia
Do outro lado da vida

(Caetano Veloso / Gilberto Gil)

Rabiscado por Isabella | 3:32 PM |

----------x----------

Comentários:
4.11.09

silêncio, filha
não diz nada
pois o que me disseres pode doer
silêncio, o silêncio está bom
toda essa vida que levas
essa vida devassa, perversa
guarda pra ti, que está bem
tentarei não pensar nisso
enquanto aguardo tu mudares
me fala quando conseguir
aí, então, estarei de braços aberto
mas se não mudares...

não.
vais mudar.

Rabiscado por Isabella | 3:07 AM |

----------x----------

Comentários:
28.10.09

Depois de tanta solidão, vou demorar a deixar de me sentir sozinha.

Rabiscado por Isabella | 1:15 AM |

----------x----------

Comentários:
6.10.09

Paris é uma cidade de amor e, se estamos sós, é impossível não pensar no que já foi ou poderia ter sido. É o lugar da saudade do que está longe, onde refletimos sobre o que tem acontecido durante a nossa vida inteira. Dói muito, a saudade. A melancolia trazida pelo Sena e pelos casais comendo croissant nos bancos de praça, também não ajuda. Só que, no fim, é muito bom ter tempo pra pensar. É preciso coragem, é claro: nos defrontamos com nossos próprios demônios. É como passar o dia olhando para o espelho da alma e descobrindo todas as suas imperfeições e fraquezas. Aquelas, que escondemos com a falta de tempo e a multidão em volta, lembra? O descontentamento com a faculdade, com o trabalho, com os amigos, o namorado. Aquele sonho que varremos pra debaixo do tapete, porque não cabia na vida que supostamente pretendemos ter. Os amores mal resolvidos, mal vividos, não vividos. As pequenas manias diárias, que nem percebemos que existem.

No fim, a verdade sobre por que as pessoas costumam achar loucura viajar sozinha, tem fundamento, apesar de não ser o que elas justificam: é pesado, muito pesado. A falta de influências externas, de paredes para se escorar e se auto-desculpar pelas falhas é muito dura. No entanto, é um grande aprendizado. Certamente, cresci mais nesta viagem que vai terminando nos próximos dias do que no último ano de vida.

E o que eu descobri? Mais ou menos isso: que, no fim, sou eu, só eu, mas que ter pessoas que se ama em volta, é imprescindível. Que nada é tão grave e, depois da crise, a dor diminui e pode, com o tempo, até passar. E ainda: que o mundo é pequeno e que tudo é possível.

Rabiscado por Isabella | 12:36 AM |

----------x----------

Comentários:
2.9.09

Difícil falar sobre o que ainda está acontecendo. As emoções ainda à flor da pele, a perturbação constante. Mas posso tentar.

Faz mais de um mês que estou aqui. As pessoas dizem que estão com inveja da minha oportunidade, que eu deveria ser feliz o tempo todo. Fico pensando que, se fosse ao contrário, eu diria a mesma coisa. Só que o que é que se faz quando todo mundo diz isso e só se quer voltar pra casa e se esconder debaixo das suas próprias cobertas?

Não é fácil ter 19 anos e todas as responsabilidades em que pensar, inclusive a de aprender a falar direito outra língua pra que as pessoas te entendam. Acredito que eu não tenha avaliado bem as coisas quando decidi que eu era uma fortaleza e que, mesmo que todo mundo dissesse que era difícil, eu conseguiria. É bacana pensar que se conhece todos os tipos de sentimentos e que se é capaz de passar por tudo, mesmo sendo jovem. Só que é um ledo engano.

Perdi as contas das noites choradas, dos pedidos silenciosos desesperados para adiantar a data da passagem. Não é por falta de companhia, por falta de amigos para sair. Não é porque onde eu moro é ruim, nem por causa da comida. Talvez nem seja mesmo por causa do idioma. É impossível explicar. Como já me disseram, só eu, que estou na pele, posso entender. E se nem mesmo eu entendo, o que é que se faz?

Passei um mês morando numa residência de estudantes e agora é uma de família, onde eu pelo menos não tenho que correr atrás de uma alimentação minimamente saudável todos os dias, já que aqui tem café-da-manhã e janta incluídos, diariamente. Tudo me prova que as coisas estão melhorando, mas tudo me faz sentir pior. E eu estou numa das melhores e mais bonitas cidades do mundo. E não tenho passeado.

Eu realmente estou tentando, juro. Me forço a sair de casa, passeio com os amigos espanhóis, passeio sozinha. Hoje, acho que vou ao cinema. E espero que as coisas melhorem e que eu não sinta mais o que estou sentindo, o que quer que seja. Afinal, Paris me espera.

Rabiscado por Isabella | 8:42 AM |

----------x----------

Comentários:
10.7.09

É tão esperta
Tão bonita
Chega, desconfiada
Abre a porta e deixa entrar
Eu a beijo e ela sorri
Me dá uma confiança danada
E aí a gente retoma a conversa
Que cortamos ontem e anteontem,
Aquele papo que não acaba
Que dura a vida toda.
Então, ela fala alguma coisa
Eu me irrito e reclamo
E ela me abraça e me comove
E me desmancha e sabe
Que eu sou dela e fim.
E que mesmo que eu vá longe,
Para outro continente,
É dela que eu lembro quando
Fecho os olhos
Por ela que sigo em frente
E sorrio a cada instante,
Porque, para quem tem
a vida inteira,
O que são alguns meses
de distância?

Rabiscado por Isabella | 4:29 PM |

----------x----------

Comentários:
24.5.09

Muitas vezes, passa-se dias, meses e até mesmo anos mergulhado em ressentimentos e emoções negativas que não trazem nada de bom. As coisas parecem piores e tem-se dificuldade em sair do lugar.

Acredito que eu estava assim, nos últimos tempos. Não parada, porque é impossível. No entanto, movendo-me pouco, principalmente em relação aos meus sentimentos. Não quero mais ser assim. Não quero cultivar o que eu tenho de pior, se tenho tanta coisa boa pra dar. E nem pra dar para os outros, mas para mim mesma. Não vou fazer da vida mais pesada do que é. Quero correr, pular, voar, ser aquela pessoa ativa e inquieta (no bom sentido) que as pessoas costumam achar que eu sou.

Tomara que eu leia isso, daqui a um tempo, e veja que realmente consegui me livrar desta nuvem preta. =)

Rabiscado por Isabella | 9:53 PM |

----------x----------

Comentários:
14.5.09

I love you, I hate you, I miss you

E é assim com tudo na minha vida. Jamais saberei o que eu sou, o que eu sinto ou o que eu quero e muito menos o que os outros são, sentem e querem. Quando eu achar que algo é certo, serei a pessoa mais feliz do mundo. Eu espero.

Rabiscado por Isabella | 4:27 AM |

----------x----------

Comentários:
14.4.09

De dia, sou bonita
Sou estrela de cinema
Desfilo na areia
Me torno sereia

Personagem de Fellini
Andando entre mortais
Sem enxergar onde pisa
Cheia de si
Cheia dos outros
Confiante no presente
E no futuro

No entanto, quando a noite chega
Eu me jogo em seus braços
Me afogo nos seus beijos
E me torno apenas eu

Meus defeitos, minhas falhas
Confesso pra você
Entrego meu corpo
Depois entrego minha alma
Aceito qualquer derrota
E não preciso mais fingir

Rabiscado por Isabella | 2:59 PM |

----------x----------

Comentários:
3.4.09

Se jogou na cama, procurando refletir. Refletir, refletir, refletir, estava cansada disso. O mundo exigia que refletisse, que chegasse a uma conclusão, que resolvesse os problemas. Ela não queria. Ela queria era se esconder, dormir durante meses, até que todo o cansaço que sentia passasse. Fernando Pessoa disse: todos os meus amigos têm sido campeões em tudo. A ela, parecia que ninguém se responsabiliza por seus atos. A ela, lhe parecia que era a única culpada do mundo. A ela, que sempre procurou fazer o correto, lhe é cobrada a decisão de agir certo e não agir ou de não agir certo e agir. A moral, a ética, já não é mais ser boa. Não, boa é muito fácil. Boa, correta, verdadeira. Tudo muito simples. Agora, o mundo era ambíguo, tríguo, políguo, todos os íguos.

Sacou da gaveta uma revista de palavras cruzadas, tentou não pensar. Era o que precisava. No entanto, de que adianta não pensar? Esquecer, fechar os olhos, ligar o som bem alto, desligar o telefone. Só adiava o que precisava ser feito. E o que seria feito? Eis a questão. Voltou para as cruzadinhas. Prefixo de "endoblase": movimento para dentro. O que era o movimento para dentro? Era a espiral de fora para dentro, que ia diminuindo, diminuindo, diminuindo, até desaparecer? Se ela se fechasse em si mesma, trancasse o quarto e passasse a vida fazendo palavras cruzadas, será que iria, aos poucos, desaparecer? Para onde vai o que não existe mais? A espiral continua fazendo círculos em algum lugar, em alguma realidade, mesmo que não seja a nossa?

A resposta era "endo". Decidiu parar com o jogo, com medo de virar uma espiral inexistente, em uma realidade invisível. Não que fosse uma má idéia ser invisível por um tempo, mas temia não voltar. Era o que mais a fazia sentir frágil: não tinha coragem de resolver e não tinha coragem nem de ser invisível. Parecia que era completamente vulnerável ao que vinha até ela, além de o que surgia de dentro dela. Nada ela comandava, tudo acontecia, como se estivesse em uma sala de cinema. Era refém da própria vida e nada podia fazer. Talvez a espiral fosse inevitável. Voltou às cruzadinhas.

Rabiscado por Isabella | 2:26 AM |

----------x----------

Comentários:
13.3.09

Despiu-se, como quem diz: é isso. Nem mais e nem menos, nada tenho além do que ofereço neste instante. Aceite-me assim, ou vá embora; não posso fazer nada. Me olhou de um jeito sincero, quase pedindo perdão pelo pouco que ela tinha a dar, que era muito, mas ela não sabia. Gosto de gente assim, sempre gostei, por mais que eu não tenha coragem para tanta sinceridade. Nunca tive a coragem de olhar primeiro, de dar a mão primeiro, de dizer primeiro. Não é algo de que eu me orgulhe, como não me orgulho de minha falta de honestidade comigo mesma em diversos momentos.

Só o que eu poderia dizer a respeito de mim mesma é: tento ser. Não é fácil como parece, ser. Ser exige tempo e reflexão. Todos esquecem da dificuldade que se tem em ser, acabam cobrando que a pessoa seja, e, ainda, que seja o tempo todo. Não há como ser o tempo todo – acabamos fingindo que somos, colocando uma máscara durante o dia e só a tirando quando vamos dormir. É nos sonhos que conseguimos ser de verdade. Pelo menos, comigo é assim. Ademais, não é todo mundo que está pronto para ficar aí vendo os outros sendo; terminariam por fechar os olhos com força, querendo nunca mais abri-los, porque ver os outros sendo também não é uma coisa fácil. Por isso as guerras. Por isso as revoluções. Por isso os castigos.

Mas não perderei o foco. O problema é coletivo, mas o problema também é meu. Sou melhor em abrir os olhos e enxergar os outros sendo do que em eu mesma ser. Gostaria de não precisar dizer, mas essa provavelmente é a minha única chance de poder, um dia, ser. Sempre enxerguei mais os outros do que a mim. Sempre exigi que se vissem como eu os via. Porém, na luta pela adaptação externa, esqueci-me de que eu não sou perfeita e que eu cometo erros terríveis, cruéis, às vezes irreparáveis. Preciso aprender a ser, a realmente ser, a não me ocultar com uma máscara, a não dormir para ser sem ter vergonha.

Rabiscado por Isabella | 3:24 PM |

----------x----------